A importância da conduta ética no trabalho

Em alguns meses chegaremos a 2020 e o cenário que se vê não é a sociedade futurista na qual a tecnologia sanaria todas as mazelas da humanidade como previam os filmes de ficção científica da década de 70 e 80. A realidade que se apresenta é bem mais complexa que aquela antecipada pelo cinema.

Vivemos um momento de severa crise política e econômica, desigualdades sociais, escassez de recursos, aumento acelerado da população e da competitividade no mercado de trabalho e aprofundamento das interações sociais como resultado do avanço da comunicação e dos transportes. Nesse contexto heterogêneo, a ética é um fator imprescindível para o equilíbrio das relações entre a sociedade, empresas e o poder público.

A ética, que deveria ser uma virtude própria do indivíduo, ganhou novas dimensões e parâmetros. Os diferentes ecossistemas sociais criaram diferentes formas de relação entre as pessoas e cada um desses ambientes tem características intrínsecas que demandam um comportamento específico. A ética então deixou de ser algo guiado apenas pelo intuitivo e passou a carecer de normas e modelos para orientar as relações tanto a nível micro quanto macro.

No ambiente de trabalho, por exemplo, além do comportamento ético geral, que deve idealmente estar presente em quaisquer relações humanas, o indivíduo há de considerar também as especificidades do contexto para que possa se adequar de maneira harmônica ao grupo.

Para isso, é conveniente que a empresa/instituição tenha um código de conduta ética, para orientar o comportamento de seus colaboradores de acordo com as normas e postura da organização.  O Governo do Estado de Goiás, ao instituir o Programa de Compliance Público no Poder Executivo, definiu, como um de seus eixos, a estruturação das regras e dos instrumentos referentes aos padrões de ética e de conduta. Para seus servidores, o Decreto Nº 9.423/2019 que instituiu o Código de Ética e de Conduta Profissional é o documento que norteia as relações pessoais no ambiente de trabalho.

No entanto, ser ético, ou não, é uma decisão pessoal e passiva de ônus e bônus. E, independentemente das normas específicas de cada organização, alguns conceitos são amplos e fundamentais para se constituir o comportamento ético. São eles:

  • Moral: conjunto de valores que conduzem o comportamento, as escolhas, decisões e ações. Para se estar alinhado com um padrão moral é preciso ser ético em toda sua sequência de ações;
  • Integridade: ser eticamente íntegro significa ser sempre honesto e sincero sob quaisquer circunstâncias. Quando um indivíduo mostra integridade em um ambiente profissional, significa que pode ser confiável;
  • Caráter: é como se fosse a reunião e síntese das práticas morais e dos princípios éticos de alguém;
  • Responsabilidade: quanto mais ética for uma pessoa, por natureza, mais responsável e eficiente será com cada tarefa que assumir;
  • Comprometimento: um profissional com ética cumpre sua função com empenho e consciência, sempre visando o melhor resultado para a organização;
  • Discrição: fofocas, comentários e críticas podem parecer inofensivos, mas podem magoar e prejudicar as pessoas;
  • Humildade: Independente de hierarquia, dos conhecimentos e habilidades, ninguém é melhor que ninguém.  Humildade é pré-requisito para o trabalho em equipe.

 

 

(Daniel Prates|CeCom|UEG)

Notícia publicada em 13/08/2019