Inova Centro realiza reunião com parceiros e empreendimentos incubados

Nesta segunda-feira, 15/04, o Centro de Empreendedorismo, Tecnologia e Inovação (Inova Centro) da Universidade Estadual de Goiás realizou uma reunião com as empresas incubadas pelo Proin (Programa de Incubadoras) e seus conselheiros.

O encontro ocorreu no auditório da administração central da UEG e teve como pauta principal a apresentação dos empreendimentos incubados para os parceiros da Incubadora.

Atualmente, o Proin conta com 17 empreendimentos vinculados, incentivando o desenvolvimento de empresas inovadoras. “Hoje, somos considerados um dos maiores centros de empreendedorismo do Estado de Goiás”, afirmou Ewerton Costa, coordenador geral do Inova Centro.

Academia e mercado
A reunião surgiu de uma demanda em relação ao pequeno contato entre universidades e o setor produtivo, o que gera falta de representatividade de empresários na academia. Para Pedro Luiz, diretor de tecnologia da Fundação de Desenvolvimento de Tecnópolis (Funtec), “as empresas têm dificuldade de investir e a academia tem dificuldade de entregar”.

O diretor de tecnologia acredita que levar o conhecimento gerado na universidade para projetos no mercado de trabalho diminuirá a distância entre a academia e a indústria. Segundo a chefe de gabinete da UEG, Mariana Gidrão, “é a partir da persistência e da parceria que conseguimos nos desenvolver”.

Empreendimentos
Vários representantes das empresas incubadas no Proin realizaram apresentações sobre as particularidades de seus empreendimentos, os desafios vencidos e o que esperam para o futuro.

Desde a área farmacêutica, passando pela gastronomia, até o segmento educacional, 9 empresas apresentaram seus produtos e serviços: Lumys, Bio Sinq, Casa da Minhoca, Sollaren, XRobot, Opex Food, InSiChem, Trilha do Saber e Brizze.

Programa Nexos
Na ocasião, também foi apresentado o programa Nexos, cuja ideia é auxiliar as companhias iniciantes a criarem soluções para problemas propostos pelas empresas que aderirem ao programa.

A expectativa é que cada startup receba entre 100mil e 250mil para desenvolver o projeto. A iniciativa é da Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimentos Inovadores (Anprotec/Sebrae).

(Anna Carolina Mendes|CeCom|UEG)

Notícia publicada em 15/04/2019