Quirinópolis, CCET e Eseffego se destacam na final dos Jogos Universitários UEG 2018

O Câmpus UEG Faculdade do Esporte Eseffego em Goiânia reuniu, durante o feriado da Independência, quase 600 atletas de diversos câmpus da Universidade para as finais dos Jogos Universitários 2018. 25 municípios goianos foram representados na competição.

Três câmpus se destacaram nas modalidades coletivas dos jogos: Câmpus Quirinópolis, Câmpus Anápolis de Ciências Exatas e Tecnológicas (CCET) e Faculdade do Esporte Eseffego.

O Câmpus Quirinópolis se sagrou campeão no basquete feminino, no voleibol masculino e no futsal feminino.

O Câmpus CCET ficou em primeiro lugar no handebol masculino e no voleibol feminino. Já a Eseffego foi campeã no futsal masculino e no handebol feminino.

Finalizando os vencedores nas modalidades coletivas, o Câmpus Minaçu conquistou a vitória no basquete masculino.

Modalidades Individuais

No tênis de mesa Flaviana, representando a Eseffego e Breno Aguiar, representando o Câmpus Luziânia, foram os campeões.

No futebol virtual os grandes vencedores foram Galdina Ferreira do Câmpus Itumbiara e Diego Otim do Câmpus UEG Faculdade do Esporte Eseffego.

Leticia Nayanne Silva do Câmpus Luziania e Ugo Melo do CCET ficaram em primeiro lugar no xadrez.

O Câmpus Eseffego foi o grande vencedor nas provas de 50 metros livre da natação, com Ivone Durães Silveira no feminino e Breno Hermano Marcus no masculino. O câmpus também obteve êxito na competição de atletismo na categoria 100 metros, com Tatielly Toledo Lima e Misael Lopes dos Santos e na categoria 1500 metros, com Aline Pereira de Souza Terto e Guilherme Luís dos Santos.

Na categoria 400 metros Daiany Stefany Machado do Câmpus Posse e William da Silva Lima do Câmpus Eseffego foram os campeões.

Ainda no atletismo, no salto em distância Jaçone Pereira Santiago do Câmpus Itumbiara foi o vencedor.

WP_20180908_10_46_51_Pro

"Nós temos trabalhado para que os acadêmicos que saíram campeões possam ter a garantia da inscrição nos Jogos Universitários Goianos (JUGs), que é a seletiva para os Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) do próximo ano. Então, os vencedores saem daqui cientes de que vão representar a UEG nos jogos estaduais e que vão ter um tempo maior para organizar a equipe e realizar o treinamento", afirma Ernesto Flávio Batista Borges Pereira, coordenador do Núcleo de Esportes da Pró-Reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis (PrE|UEG).

O coordenador explica que essas equipes não são, necessariamente, fechadas apenas com os campeões, já que a UEG é uma só. Os vencedores podem convidar atletas de outros câmpus para formar uma equipe bem representativa da instituição com o objetivo de obter resultados a nível nacional.

Convivência, integração e memória

Além de incentivar a prática esportiva em prol do desenvolvimento de atletas e da promoção de reflexões sobre uma vida saudável, o objetivo dos jogos universitários é promover a integração entre os acadêmicos, como frisou o reitor da UEG, professor Haroldo Reimer:

“A realização dos jogos foi uma iniciativa pensada em 2014, como forma de entrosamento entre os estudantes dos diferentes câmpus. Ao treinar apenas na quadra de sua própria unidade, a amplitude da UEG não fica tão perceptível. Aqui os estudantes percebem a grandeza dessa Universidade”.

Nesse sentido, o Pró-Reitor da PrE, professor Marcos Antônio Cunha Torres mencionou durante o evento que o Brasil vive um momento delicado e que tudo aquilo que faz as pessoas se unirem é fundamental: “Os jogos integram, o esporte coloca as pessoas em diálogo, transforma a disputa em um exercício de construção coletiva e não de ódio. Que nós exerçamos a tolerância e o encontro como caminho para a convivência”.

Para o Coordenador de Assuntos Estudantis da PrE, Thyago Madeira França, os jogos também permitem que os acadêmicos se reconheçam como parte da Universidade e que construam boas memórias dessa fase da vida. “A atividade esportiva como um todo não deixa de ser recreativa, então esse é um momento de fazer com que o estudante, que é o egresso de amanhã, também tenha uma lembrança marcante da Universidade”, pontuou.

A ideia de fomentar uma competição saudável e o contato com a diversidade presente na UEG deu muito certo.

Tiago Gomes Mendonça, Câmpus Jussara, curso de matemática, que disputou os jogos no tênis de mesa e o colega de câmpus e de curso Érik José Rodrigues, atleta do xadrez, ficaram impressionados com a estrutura do Câmpus Faculdade do Esporte Eseffego e, sobretudo, com as possiblidades de contato e aprendizado com as pessoas de outros câmpus.

Daiany Stefany Machado e Ana Paula Gomes da Silva também colegas no curso de Letras no Câmpus Posse, competiram na modalidade atletismo e além de conhecer melhor a UEG e a realidade de cada câmpus e cidade, comemoraram o bom desempenho nos jogos e já fizeram planos para a próxima edição dos jogos.

“Esse ano me superei, fiquei em segundo lugar nos 1500 metros. Ano que vem quero ficar em primeiro”, contou alegre Ana Paula, ao que acrescentou determinada Daiany Stefany: No ano que vem vamos vir com a equipe de futsal, vôlei, atletismo, com um número maior de modalidades e atletas representando o câmpus”.

Além de poder interagir com colegas de outros câmpus, os estudantes da UEG tiveram a oportunidade de conhecer universitários de outros países, que estiveram no Centro de Excelência do Esporte/ Câmpus UEG Faculdade do Esporte Eseffego participando do Campeonato Mundial de Wrestling Universitário.

WUC Wrestling 2018

Simultaneamente à realização dos Jogos Universitários, o Câmpus UEG Faculdade do Esporte Eseffego sediou entre os dias 5 e 9 de setembro, uma importante competição do calendário universitário, o Campeonato Mundial de Wrestling Universitário 2018 (WUC, sigla em inglês).

Organizado pela Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU) e a Federação Goiana de Desporto Universitário (FGDU), o evento reuniu no Ginásio Rio Vermelho atletas de vários países além do Brasil, entre eles China, Alemanha, Israel, Canadá, Japão, México, Polônia, República Tcheca, Rússia e Turquia.

A competição foi pelo título das categorias feminino estilo livre, masculino estilo livre e masculino greco-romana.

Cerimônia de abertura

A cerimônia oficial de abertura dos jogos universitários 2018 contou com a presença do diretor da UEG Câmpus Faculdade do Esporte Eseffego, Marcus Jary Nascimento; do coordenador de Assuntos Estudantis, Thyago Madeira França; da vereadora Cristina Borges – fundadora do curso de Fisioterapia da UEG; do Pró-Reitor da PrE, professor Marcos Torres e do reitor da UEG, professor Haroldo Reimer.

A abertura dos jogos contou com a apresentação especial do Grupo Cygnus do Câmpus Eseffego

Em sua fala, o reitor Haroldo Reimer ressaltou que "como em grandes universidades no exterior, nós queremos incentivar cada vez mais a prática do esporte dentro da UEG. Para isso fizemos movimentação necessária para conseguir a cessão de uso do Centro de Excelência do Esporte, agora para nós, chamado UEG Faculdade do Esporte Eseffego. É um complexo belíssimo no qual continuaremos a oferecer as graduações, pós-graduções, projetos de extensão que funcionavam no antigo prédio, mas, também poderemos desenvolver uma série de atividades voltadas à formação de atletas de alto rendimento em diferentes modalidades esportivas".

O diretor da UEG Câmpus Faculdade do Esporte Eseffego, Marcus Jary, também destacou a importância de o Centro de Excelência do Esporte estar sob a administração da UEG: "Há muitos anos a Eseffego precisava de uma estrutura que estivesse à altura da sua história, do seu legado, do seu simbolismo na cidade de Goiânia, de seus alunos e professores; acredito que esse lugar é o Centro de Excelência do Esporte. Esse espaço poderia estar entregue à iniciativa privada, poderia estar entregue a uma organização social, poderia estar subutilizado. Mas, hoje pertence à UEG e continua sendo um espaço público, que desenvolve atividades de qualidade".

Para Jary, a realização dos jogos universitários no Câmpus UEG Faculdade do Esporte Eseffego veio para fortalecer os vínculos fraternais, políticos e administrativos entre a própria Eseffego, os demais câmpus e a gestão da UEG".

 

 (Adriana Rodrigues | CeCom|UEG)

Notícia publicada em 10/09/2018