Agro Centro-Oeste Familiar 2018 debate produção de alimentos saudáveis

Responsável por 70% dos alimentos que chegam à mesa do brasileiro, a agricultura familiar recebe atenção especial da Universidade Estadual de Goiás (UEG), responsável deste ano pela Feira Agro Centro-Oeste Familiar (Acof). A 16ª edição será realizada de 9 a 11 de maio, em São Luís de Montes Belos, e terá como foco a produção de alimentos saudáveis.

Os agricultores participantes também vão expor e vender seus produtos aos visitantes, nas 40 tendas que serão montados ao lado do Espelho d’Água, no Centro da cidade. No local também serão realizadas apresentações culturais, abertas à comunidade da região.

Na parte técnica – com destaque para o 7º Seminário Científico sobre Agricultura Familiar –, mesas-redondas, palestras e seminários, oficinas, minicursos e dias de campo vão abordar diversos assuntos do interesse dos produtores e até dos consumidores. Entre os temas incluem-se o controle de carrapatos, manejo de pragas, processamento da soja na alimentação humana, registro de bebidas no Ministério da Agricultura, a ordenha e fabricação de queijo, entre outros (veja programação completa no site www.agrocentro.ueg.br)

Produção técnico-científica
A professora da UEG, Divina Aparecida Leonel, integrante da comissão organizadora da Acof, destaca a importância do Seminário Científico, ao destacar seu objetivo principal, que é divulgar a produção técnico-científica relacionada à agricultura familiar, promovendo reflexões sobre o tema. “Quando pesquisadores divulgam trabalhos nessa área, consolidam o papel de inserção e desenvolvimento do setor para a sociedade”, avalia a professora.

Os produtores – inscritos e visitantes – também poderão contar com informações sobre financiamentos e crédito para a produção e aquisição de máquinas e equipamentos. Equipes do Banco do Brasil, por exemplo, estarão presentes na feira, oferecendo orientações sobre o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

O Pronaf é um programa do governo federal de financiamento para implantação, ampliação ou modernização da estrutura de produção, beneficiamento, industrialização e de serviços no estabelecimento rural ou em áreas comunitárias rurais próximas. Seu objetivo é a geração de renda e à melhora do uso da mão de obra familiar. O BB também vai prestar informações sobre suporte às revendas de máquinas e assinatura de contratos.

Comercialização
Outro exemplo de informações disponíveis na Acof será sobre a comercialização de alimentos para o público do evento, que ficará a cargo da Federação dos Trabalhadores da Agricultura Familiar (Fetraf).

O evento será também instrumento de debate sobre políticas agrárias. Nesse aspecto, contará, entre outros, com a participação da Comissão Pastoral da Terra e com o Encontro de Mulheres Rurais, que vai discutir as condições das mulheres no campo.

Promovida desde o ano 2000, a Agro Centro-Oeste Familiar 2018 tem como objetivo promover a agricultura familiar como segmento produtivo essencial para a geração de emprego, renda e produção de alimentos seguros para a população.

São parceiros da UEG na realização da 16ª Acof: UFG, Conab, Emater, Embrapa, IFG, IF Goiano, Incra, Fapeg, SUS, Fetaeg, Fetraf, Suvisa, Fetaeg, Nedet, Ministério da Agricultura; CUT Apinajé, MCP; Governo de Goiás, Secretaria Estadual de Saúde, Prefeitura e Diocese de São Luís de Montes Belos, Agrodefesa e CTDRS Estrada de Ferro.

Leia também sobre a participação da Emater na Agro Centro-Oeste Familiar AQUI.

AGRICULTURA FAMILIAR NO BRASIL
O que é: a Lei 11.326/2006 define agricultor familiar quem pratica atividades no meio rural, possui até quatro módulos fiscais de área, utiliza mão de obra familiar e renda vinculada ao estabelecimento, que é gerenciado por parentes. Entram nessa classificação ainda os silvicultores, aquicultores, extrativistas, pescadores, indígenas, quilombolas e assentados da reforma agrária.

NÚMEROS
- A agricultura familiar soma 4,4 milhões de propriedades rurais no País, ou 84,4% de todos os estabelecimentos agropecuários brasileiros.
- Constitui a base econômica de 90% dos municípios brasileiros com até 20 mil habitantes
- Responde por 35% do PIB, e absorve 40% da população economicamente ativa, empregando 74% das pessoas ocupadas no campo
- Produz 87% da mandioca, 70% do feijão, 46% do milho, 38% do café, 34% do arroz e 21% do trigo do Brasil.
- Na pecuária, é responsável por 60% da produção de leite, além de 59% do rebanho suíno, 50% das aves e 30% dos bovinos do país.
Fonte: Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário

(José Carlos Araújo | CeCom|UEG)
 

 

Notícia publicada em 16/04/2018